Biografia

ALEXANDRE FRACALANZA TRAVASSOS

Português

Clarinetista, compositor e professor

Alexandre Fracalanza Travassos nasceu no Rio de Janeiro em 1970 e mudou-se para São Paulo em 1980 onde começou a estudar clarinete na Escola Municipal de Música de São Paulo e posteriormente na Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo. Entre seus professores estão Rafael Caro, Leonardo Righi, Otinilo Pacheco e Sergio Burgani. Durante seus anos de estudo, Alexandre tocou na Camerata Paulista,  Orquestra Sinfônica Jovem do Estado de São Paulo e na Orquestra Experimental de Repertório.

Seguindo uma antiga paixão, Alexandre começa a atuar como  compositor autodidata,  escrevendo suas primeiras composições para instrumentos solo e pequenos grupos de câmara. Posteriormente teve aulas com o compositor e regente Aylton Escobar, Douglas Seville, Carla Rees e Patrick Standford. Em 1994, entra como clarinetista na Banda Sinfônica do Estado de São Paulo, grupo que inspirou sua primeira obra de grande porte: Abertura Dramática, ganhadora do 1° Concurso de Composição para banda sinfônica da Banda Sinfônica do Estado de São Paulo que a gravou no CD Suite Tropical. A partir de então, passou a colaborar com esse grupo ativamente com composições, transcrições e arranjos. Entre as diversas estreias executadas pela Banda Sinfônica do Estado de São Paulo estão Danças do Autômato (gravada no CD Maxixe Urbano), Rapsódia Sefaradi, Opus Lascivus e O Golem.

Alexandre recebeu diversos prêmios com suas músicas  no Brasil e no exterior como o Penfield Commission Project (EUA, 2001), o 3º Prêmio Guerra-Peixe de composição para orquestra (2001), o Outdoor Composition Contest (EUA, 2010), o Otto-Ditscher-Preis (Alemanha, 2011) e os Prêmios Funarte de Composição Clássica de 2011 e 2016.           Suas músicas já foram executadas nas principais salas de concerto do Brasil, Estados Unidos, Espanha, Portugal, Holanda e Japão.

Em 2014, começa a trabalhar como professor das madeiras das orquestras de formação da Fundação do Theatro Municipal de São Paulo, orientando jovens músicos no universo sinfônico. Para eles, dedicou sua obra Aurora Australis, estreiada em 2016.

English

Clarinetist, composer and teacher

Alexandre Fracalanza Travassos was born in Rio de Janeiro in 1970 and moved to São Paulo at the age of ten where he began to study the clarinet at the São Paulo Municipal School of Music and later at the School of Communication and Arts of the São Paulo University. Among his teachers are Rafael Caro, Leonardo Righi, Otinilo Pacheco and Sergio Burgani. During his student years, Alexandre played at the Camerata Paulista, the São Paulo State Youth Orchestra and the Orquestra Experimental de Repertório.

Following a life-long passion, Alexandre emerges as a self-taught composer, writing his first compositions for solo instruments and small chamber groups. Later he had lessons with composer and director Aylton Escobar, Douglas Seville, Carla Rees and Patrick Standford. In 1994, performs as clarinetist with the São Paulo State Symphonic Band, an ensemble that inspired his first large scale work: Abertura Dramática, winner of the 1º Composition Contest for Symphonic Band sponsored by the São Paulo State Symphonic Band and later recorded on the CD Suite Tropical. From this moment on, Alexandre collaborated actively with the group, composing, transcribing and arranging music for them. Among the music premiered by the São Paulo State Symphonic Band are Danças do Autômato (recorded on the CD Maxixe Urbano), Rapsódia Sefaradi, Opus Lascivus and The Golem.

Alexandre has been recognized for his works through the many awards he has received in Brazil and abroad. These include the Penfied Commission Project (USA, 2001), the 3rd Guerra-Peixe Composition Prize for Orchestra (2001), the Outdoor Composition Contest (USA, 2010), the Otto-Ditscher-Preis (Germany, 2011) and the Classical Composition FUNARTE Prizes of 2011 and 2016. His music has been performed at venues in Brasil, United States, Spain, Portugal, Netherlands and Japan.

In 2014, Alexandre starts to work as woodwind orchestral teacher of the student orchestras of the Municipal Theater of São Paulo Foundation. For them, he dedicated his piece Aurora Australis, premiered in 2016.